Ippuc promove a troca de experiências de ex-bolsistas da JICA     20 Mar 2017

 

O Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano de Curitiba (Ippuc), em parceria com a Associação Paranaense de Ex-bolsistas Brasil-Japão (Apaex), reuniu profissionais de planejamento que participaram de programas de treinamento da Agência de Cooperação Internacional do Japão (Japan International Cooperation Agency) JICA.

 

O evento, para a troca experiências de êxito, foi aberto pelo presidente do Ippuc na última sexta-feira, 17, e contou com a presença do cônsul-geral interino do Japão em Curitiba, Hiroshi Teramichi; do presidente da Apaex, Rodrigo Schmidt; do secretário Nacional do Desenvolvimento Urbano junto ao Ministério das Cidades, Eleotério Codato, e de Cléver Almeida, ex-presidente do Ippuc e hoje diretor de Mobilidade Urbana do Ministério das Cidades. A organização do encontro foi feita pelo setor de Relações Externas do Ippuc.


"O debate em torno do desenvolvimento urbano e, sobretudo, humano faz parte de uma discussão que é muito aprazível ao Ippuc. Repensar as funções das nossas cidades nos leva à referência de que a prevalência do coletivo sobre o individual é uma necessidade permanente, na busca do almejado desenvolvimento urbano ordenado e sustentável", disse o presidente do Ippuc, Reginaldo Reinert.

 

O evento teve como palestrante Eleotério Codato, que tratou do tema "As cidades inteligentes na visão do Ministério das Cidades".

 

"Para mim é uma dupla satisfação estar em Curitiba e no Ippuc, um instituto de referência nacional e também mundial. Curitiba é pioneira em novas práticas e inovações que fizeram desta cidade modelo para o Brasil e o mundo", afirmou. 


Em sua palestra, o secretário Nacional do Desenvolvimento Urbano junto ao Ministério das Cidades, tratou de duas cidades do Reino Unido, apontadas como smart-cities ou cidades inteligentes: a escocesa Glasgow  e a planejada Milton Keynes nos arredores de Londres.


"Dos dois conceitos de cidades inteligentes o que eu prefiro é o que diz que são cidades que adotam inovações tecnológicas e políticas inovadoras para aperfeiçoar processos de planejamento e gestão urbana na condução da visão de futuro", explicou.

01     02


Sua preferência por este conceito, segundo Codato, se dá pelo fato de o modelo não se restringir exclusivamente a processos eletrônicos. "As smart-cities são cidades mais inclusivas, mais eficientes, mais sustentáveis, mais seguras e mais resilientes". No caso de Glasgow, o palestrante destacou que a cidade escocesa conta com 1,2 milhão de habitantes, considerando a sua área metropolitana. Isso faz dela a maior cidade da Escócia e a terceira maior do Reino Unido. 

 

O modelo aplicado em Glasgow se baseia em uma parceria público-privada e com a comunidade que parte de uma visão da cidade. Lá existe um centro integrado de operações e de informações na área da mobilidade, segurança e infraestrutura. "A inteligência está em trabalhar bem a informação e identificar as implicações dos dados em relação a cada setor da cidade", observou Codato. 

 

Como exemplo de gestão de recursos de infraestrutura urbana, ele citou o sistema de iluminação pública que é equipado com sensores que identificam o fluxo de pedestres e veículos e gerenciam a energia por demanda, monitorando ainda a qualidade do ar.

 

Já em Milton Keynes há a parceria entre a administração pública e as universidades.A cidade oferece a  universidade aberta (HTTP://www.open.ac.uk), a partir de um modelo de parceria entre o governo, empresas e a comunidade para o gerenciamento e a análise de dados. O sistema de transporte público tem por base a eletromobilidade e também há processos de gestão com vistas à qualificação da mão de obra, a ampliação da infraestrutura para a atração de novos negócios e a aplicação de tecnologia da informação.

 

No encontro dos ex-bolsistas da JICA realizado no Ippuc foram apresentadas ainda as experiências nas áreas do Planejamento Urbano Compreensivo, Transporte Público, Políticas Ambientais, Participação Popular e Reajuste de Terrenos, por parte dos profissionais que já participaram do programa de intercâmbio Brasil-Japão.

 

Troca de experiências - O cônsul interino do Japão em Curitiba, destacou como oportuna a iniciativa do Ippuc em integrar ex-bolsistas da JICA. "É uma iniciativa que abre espaço a discussões que visam ao desenvolvimento de Curitiba. O Ippuc é parceiro de longa data da JICA na cooperação integrada para a qualidade de vida dos cidadãos", disse Teramichi. 

 

03

 

Segundo o diplomata japonês, parcerias de êxito como as já realizadas com Curitiba fazem com que o Japão sinta-se honrado em fortalecer os laços com o Brasil como forma de tornar os países ainda mais acolhedores. Ele falou que há o interesse do governo japonês em ampliar a parceria em torno do projeto de Cidades Inteligentes e citou os projetos de implantação de um novo radar meteorológico no Paraná e o estudo do piso gerador de energia como exemplos de ações em andamento.

 

Rodrigo Schmidt, da Associação Paranaense de Ex-bolsistas Brasil-Japão (Apaex), apontou o Ippuc como referência em desenvolvimento urbano e ressaltou o apoio da instituição na realização do evento. "Nossa associação tem 35 anos e congrega não apenas bolsistas de instituições públicas, mas também do setor privado. São pessoas que concluíram mestrado, pós-graduações ou estudos técnicos que buscam integrar o conhecimento em diversas áreas".

De acordo com Schmidt, a JICA tem escritórios em 100 países e projetos viabilizados em 150 países, nas áreas da saúde, educação, prevenção de desastres naturais entre outros. No Brasil a JICA tem parcerias em todo o território nacional.