2000 a 2010 - A metrópole

Fatos que marcaram a década

 

As ações de mobilidade urbana são priorizadas. Além de obras estruturantes que visam à melhoria da circulação viária, Curitiba também planeja a implantação de novos modais de transporte e sua integração.

 

O Plano Diretor, adequado ao Estatuto da Cidade em 2004, indica as diretrizes gerais para que o Município busque o desenvolvimento sustentável. Essas diretrizes tratam do direito à terra urbana, à moradia, ao saneamento e à qualidade ambiental, à mobilidade e transporte, aos serviços públicos, ao trabalho e ao lazer. A lei do plano inclui, além do instrumento Solo Criado, já utilizado em Curitiba, as parcerias público-privadas, audiências públicas e proteção ao meio ambiente. Além dos debates com a comunidade, nas nove administrações regionais, para definição da infraestrutura necessária para seu desenvolvimento, são elaborados seis planos setoriais: Mobilidade e Acessibilidade; Habitação de Interesse Social; Desenvolvimento Econômico; Desenvolvimento Social, Segurança e Defesa Social; Desenvolvimento Sustentável e Controle Ambiental. Também é elaborado o Plano de Desenvolvimento Integrado (PDI) para a Região Metropolitana que objetiva proteger os mananciais superficiais e subterrâneos destinados ao abastecimento, garantir a conservação e preservação dos biomas e orientar a expansão do espaço urbano da cidade metropolitana.

 

A RIT atende 94% da demanda de passageiros de Curitiba e 73% da demanda das cidades metropolitanas. Em média, são transportados 2,3 milhões de passageiros por dia útil e, em 2002, é implantada da bilhetagem eletrônica no sistema de transporte coletivo.


São iniciados os trabalhos de desalinhamento das estações tubo nas canaletas exclusivas do transporte coletivo, dando maior fluidez e rapidez ao sistema.

 

Desalinhamento canaleta expresso

 

São realizadas melhorias na infraestrutura da Av. Comendador Franco, principalmente entre Curitiba e o Aeroporto Afonso Pena, em São José dos Pinhais, proporcionando maior fluidez e segurança.

 

É implantada a primeira fase da Linha Verde, sexto eixo estrutural da cidade, na antiga BR 116, que segue os princípios do sistema trinário adotado na década de 1970. No centro da via há pistas exclusivas para o transporte coletivo e o zoneamento da área foi modificado para permitir mudança de uso e adensamento, previsto por meio do acréscimo de potencial construtivo e de pavimentos, sendo a transferência de potencial vinda de áreas de mananciais dos municípios vizinhos.

 

Linha Verde


A cidade estuda a implantação de uma Rede de Metrô que visa complementar rede de transporte coletivo existente com tarifa igual à cobrada no restante da RIT, atrair o usuário do automóvel e utilizar sistema menos poluente.

 

Projeto do metrô

 

É instituído o Código Florestal do Município de Curitiba.

 

São inaugurados os Parques do Atuba e das Nascentes.

 

São revitalizados os prédios da União Paranaense dos Estudantes (UPE), do Ministério Público e da Fundação Cultural de Curitiba.

 

É aprovado o Sistema Municipal de Ensino e o Conselho Municipal de Educação. Assim, o município ganha autonomia normativa para decidir sobre a forma de garantir o direito à educação escolar de qualidade.

 

As escolas municipais passam a atender as turmas de pré-escola (seis anos de idade) e o atendimento em educação infantil é ampliado, iniciando com crianças de quatro e cinco anos.

 

Na área da saúde, são implantados programas estratégicos voltados à proteção e cuidado das pessoas: pré-natal, parto, puerpério, planejamento familiar, prevenção do câncer de colo uterino e de mama, saúde mental, DST-aids e Cárie Zero.

 

A estrutura da saúde municipal conta com oito Unidades Municipais de Urgências Médicas (CMUM) com atendimento 24 horas, laboratório de análises clínicas, centrais de vacinas, ambulâncias, marcação de consultas especializadas e de leitos hospitalares, um hospital de média complexidade com maternidade e o Serviço de Atendimento Médico às Urgências e Emergências (SAMU).

 

É implantado o anel logístico Tecnoparque abrangendo as áreas da UFPR e PUC-PR, do eixo estrutural da Avenida Marechal Floriano Peixoto, da Linha Verde e do Instituto de Tecnologia para o Desenvolvimento - LACTEC/CIETEP. Seu objetivo é facilitar a expansão do setor de tecnologia, aproveitando a infraestrutura existente.

 

Tecnoparque

 

A nova legislação de zoneamento permite ampliar os limites do Setor Histórico, estendendo sua proteção à Praça Tiradentes e criar os Setores Especiais Eixo Barão-Riachuelo e o da Paisagem Ferroviária. É também inaugurada a Casa da Memória no Centro Histórico de Curitiba.

 

Criação do Conselho da Cidade de Curitiba (CONCITIBA) visando acompanhar, fiscalizar e avaliar a implementação do Plano Diretor.

 

Adequação do Plano Diretor ao Estatuto da Cidade - Anteprojeto

Adequação do Plano Diretor ao Estatuto da Cidade - Lei 11.266/2004

Adequação do Plano Diretor ao Estatuto da Cidade - Lei 11.266/2004, Anexo 01 - Mapa Macrozoneamento

Adequação do Plano Diretor ao Estatuto da Cidade - Lei 11.266/2004, Anexo 02 - Mapa Densidades de Ocupação

Adequação do Plano Diretor ao Estatuto da Cidade - Lei 11.266/2004, Anexo 03 - Mapa Eixos de Estruturação Viária

Adequação do Plano Diretor ao Estatuto da Cidade - Lei 11.266/2004, Anexo 04 - Mapa Eixos de Estuturação do Transporte Coletivo

Adequação do Plano Diretor ao Estatuto da Cidade - Lei 11.266/2004, Anexo 05 - Mapa Operações Urbanas Consorciadas

 

Lei de Zoneamento e Uso do Solo - 9.800/2000 e compêndios, 2004

Lei de Zoneamento e Uso do Solo - leis e decretos complementares, 2004

 

Mapa do Zoneamento de Curitiba - Lei 9.800/2000 com Sistema Viário Básico - Decretos 188/2000, 733/2001 e 992/2004

Mapa de Zoneamento de Curitiba - Lei 9.800/2000 com Sistema Viário Básico - Decretos 188/2000, 733/2001 e 992/2004 e Áreas de Proteção Ambiental do Passaúna - Decretos 5.063/2001 (estadual), 250/2004 e do Iguaçu - Decretos 192/2000 e 1.135/2001